................ ................ ................ ................

LOJAS COLABORATIVAS: QUAL, COMO, ONDE E QUANTO?

Por Thiara Ney

Olá pessoal! Aqui estou outra vez para compartilhar um pouco de minhas experiências e ajudá-las na organização e na gestão do handmade business. O tema de hoje é Loja Colaborativa.

Para quem nunca ouviu falar, loja colaborativa é um conceito relativamente novo, que leva para dentro de uma loja todos os benefícios de uma feira de artesanato, por exemplo. Em uma feira, como a da Praça Benedito Calixto, em São Paulo, você encontra muitos estilistas iniciantes, crafters, hippies, artistas de toda a variedade. Para estar lá essas pessoas passaram dias produzindo, pagaram o aluguel do espaço e lá estão, montado suas barracas e atendendo a seus clientes. Passam o dia (ou os dias) no sol ou na chuva buscando vender para a maior quantidade de pessoas possível.

{ via }

Em uma loja colaborativa o conceito é praticamente o mesmo, mas a dinâmica é bem diferente. Esse tipo de loja é conhecido por alugar espaços, normalmente nichos fixos nas paredes ou no chão, para que o artista venda seu produto. Entretanto, em vez de ficar lá atendendo seus clientes, o artista conta com toda a estrutura da loja a seu favor. Assim, seu trabalho é manter seu espaço organizado e com produtos interessantes, enquanto toda a rotina de venda é de responsabilidade da loja. Eles atendem os consumidores, fazem a venda, recebem (aceitando todos cartões de crédito e débito) e uma vez por mês repassam ao artista o valor vendido.

O negócio tem dado tão certo que a loja Endossa da rua Augusta, em São Paulo, pioneira em lojas colaborativas, tem mais de 90 pessoas na lista de espera de sua caixa mais popular, a Padrão, que mede 60 cm x 60 cm e custa R$ 240/período.

MAS E AÍ, O NEGÓCIO FUNCIONA?
Por experiência própria posso dizer que sim. Mas não é só chegar lá, alugar um espaço e achar que vai ganhar rios de dinheiro. Assim como em qualquer outro ponto de venda, as lojas colaborativas, mesmo já tendo um público conquistado, precisam de pesquisa de mercado, análise financeira e estratégia. Parte disso porque você vai conviver ao lado da concorrência (é literalmente o inimigo mora ao lado), e terá que se superar cada vez mais, seja na qualidade de seu produto, na inovação ou até mesmo no desafio de tornar seu preço mais competitivo.

{ via }

É muito importante também conhecer bem o lugar onde a loja está localizada. Antes de alugar seu espaço, passe uma tarde por lá, confira a circulação das pessoas, converse com os donos das caixas próximas à que você pretende alugar, vá em um sábado no final da tarde (praticamente o horário nacional das compras) para ver o movimento da loja. Todas essas impressões o ajudarão a descobrir se esse investimento vale ou não à pena para você.

Um exemplo disso é que a Endossa da Rua Augusta é uma loja enorme e vive cheia de consumidores. É super bem localizada e a maior parte dos mini-micro-empresários (como são carinhosamente chamados os artistas que expõem lá) oferece produtos para o público que frequenta a região.

Entretanto, uma loja com o mesmo conceito abriu há um pouco mais de um ano na região do Ibirapuera e até agora os empreendedores não viram seus produtos saírem em massa da caixa. A localização da loja parece excelente, em frente a uma escola de alto padrão. Entretanto, uma tarde na loja e você percebe facilmente que poucas pessoas circulam por lá, e as que frequentam o local não o fazem à procura das novidades dos artesãos, e sim para comprar material escolar, vendido no mesmo espaço.

Por isso, digo e repito: as lojas colaborativas são uma excelente vitrine para seus produtos, e uma ótima maneira de aumentar seu público. Entretanto, não jogue dinheiro fora alugando um espaço em uma loja que você não conhece. Visite, olhe, converse, troque figurinhas, planeje.

ONDE AS LOJAS COLABORATIVAS ESTÃO?

+ Endossa
São três unidades: uma na rua Augusta e outra no Centro Cultural São Paulo, ambas em SP, e uma na Av. Vicente Machado, em Curitiba. Caixa Padrão (60 cm x 60 cm) custa R$ 240 por período de quatro semanas.

+ Sandice
Avenida Jandira, em Moema, São Paulo. Caixa de 60 cm x 45 cm custa R$ 235/mês.

+ Cada Qual
Rua Teodoro Sampaio, Pinheiros, São Paulo. Caixa de 60 cm x 90 cm custa R$ 220/mês.

+ Casulo
Rua Arthur Jorge, Campo Grande, Mato Grosso do Sul.

+ Loja Colabora
Avenida Braz de Aguiar, 53, Belém, Pára.

+ Koisa & Tal
Rua Cel. Nogueira Padilha, Sorocaba, SP.

+ O Elefante Branco
Rua Bernardino de Campos, Ribeirão Preto, SP. 

+ Encaixados
Rua Luís Góis, 1607 - Vila Mariana, SP

Aí está a lista de lojas que conheço pessoalmente ou que encontrei pesquisando na internet. Se souberem de alguma loja que trabalhe com esse sistema na sua cidade, escreva para nós { assimsim.hb@gmail.com } atualizarmos o post.